Search
Close this search box.
Home / Teologia / História da Igreja / A Igreja Apostólica

A Igreja Apostólica

A Igreja Apostólica representa o período inicial do cristianismo, abrangendo os anos 30 a 100 d.C., um tempo de formação e consolidação dos fundamentos da fé cristã.

Este período é caracterizado pela liderança direta dos apóstolos, os discípulos de Jesus Cristo, e pelo desenvolvimento inicial das doutrinas e práticas que definiriam a Igreja.

Durante estes anos cruciais, a Igreja enfrentou desafios significativos, incluindo perseguições, conflitos internos e a tarefa monumental de definir as doutrinas e difundir a mensagem cristã em um mundo diversificado e muitas vezes hostil.

Este período é marcado por uma dinâmica de expansão e consolidação, onde a mensagem do Evangelho se espalhou rapidamente mediante diferentes regiões e culturas, dando forma a uma identidade cristã distintiva.

O teólogo Donald Arthur Carson (2005, p. 20) afirma que “a igreja apostólica era um movimento missionário vibrante que se espalhou rapidamente pelo mundo romano”.

Explorar a Igreja Apostólica é adentrar um capítulo fundamental da história cristã, onde as fundações da fé foram estabelecidas e o legado dos ensinamentos de Cristo começou a tomar forma institucional e doutrinária.

Por que no período 30-100 d.C, a igreja ficou conhecida como Apostólica?

A designação de “Apostólica” reflete o papel central dos apóstolos como testemunhas oculares da vida, morte e ressurreição de Jesus, bem como seus esforços para estabelecer comunidades de crentes em todo o mundo antigo.

Os apóstolos, liderados inicialmente por figuras como Pedro e João e mais tarde por Paulo, eram os enviados de Cristo, autorizados a ensinar, batizar e formar comunidades de fé.

Durante este tempo, a autenticidade e a autoridade da Igreja estavam intrinsecamente ligadas à sua conexão direta com Jesus e seus apóstolos.

A doutrina, as práticas e a organização da Igreja foram estabelecidas com base nos ensinamentos e nas tradições que os apóstolos transmitiram, que por sua vez foi recebido diretamente de Cristo.

Este período também foi marcado pelo testemunho ocular dos eventos da vida de Jesus, a preservação dos seus ensinamentos para a construção do Novo Testamento, todos essenciais para a identidade e a continuidade da Igreja Apostólica.

Qual significado do termo apostólico?

O termo “apostólico” refere-se ao que está relacionado ou derivado dos apóstolos, os doze discípulos escolhidos por Jesus para espalhar seus ensinamentos.

O professor de teologia Frederick Fyvie Bruce (2007, p. 45) destaca a importância da liderança dos apóstolos na igreja apostólica.

Na tradição cristã, “apostólico” evoca a autoridade e a continuidade da fé e prática estabelecidas pelos apóstolos, consideradas como o fundamento sobre o qual a Igreja é construída.

Ser apostólico também implica uma fidelidade aos ensinamentos originais de Jesus conforme transmitidos pelos apóstolos.

Para a apostólica, manter o caráter apostólico significava preservar a pureza doutrinária e a legitimidade institucional em uma linha direta de sucessão e ensino desde os apóstolos.

Além disso, o termo sugere uma missão contínua, pois os apóstolos foram enviados (do grego “apostellein”) por Cristo para levar o Evangelho a todos os povos, uma tarefa que a Igreja continuou a cumprir após a morte dos apóstolos originais.

As fases da igreja Apostólica

A Igreja Apostólica experimentou um dinâmico período de formação e expansão, caracterizado por diversas fases de desenvolvimento.

Nesse contexto, os primeiros anos após a ascensão de Cristo foram marcados por um intenso senso de comunidade e fervor espiritual.

Os apóstolos, seguindo o mandato de Jesus, dedicaram-se ao ensino, à oração e à comunhão, estabelecendo as fundações da doutrina cristã e da vida comunitária.

À medida que a mensagem do Evangelho se espalhava, a Igreja enfrentava tanto oportunidades quanto desafios.

A pregação apostólica, acompanhada de sinais e maravilhas, atraiu muitos seguidores, mas também provocou perseguições e conflitos, tanto internos quanto externos.

Esses eventos testaram a fé e a resiliência dos primeiros cristãos, ao mesmo tempo que contribuíam para a definição e o amadurecimento da identidade da Igreja.

Durante esse tempo, a Igreja Apostólica não apenas cresceu em número, mas também desenvolveu uma compreensão mais profunda de sua missão e teologia.

A interação com diferentes culturas e filosofias do mundo greco-romano desafiou a Igreja a articular sua fé de maneira mais clara e abrangente.

Essas fases foram fundamentais para estabelecer a Igreja como uma comunidade global, enraizada nos ensinamentos de Cristo.

Fase do movimento pentecostal: desde a Ascensão de Cristo, até à pregação de Estêvão

A fase do movimento pentecostal, iniciada com a Ascensão de Cristo e marcada pelo evento de Pentecostes (Atos 2), foi um período de empoderamento espiritual e missão.

Os discípulos, cheios do Espírito Santo, começaram a pregar com ousadia, resultando em conversões em massa e no estabelecimento da Igreja em Jerusalém.

Este período foi caracterizado por um intenso fervor espiritual, com sinais e milagres acompanhando a pregação do Evangelho, o que fortaleceu a fé dos crentes e atraiu muitos ao cristianismo.

A comunidade cristã, apesar de enfrentar perseguição, manteve-se unida e cresceu em número e influência.

A experiência pentecostal também estabeleceu o padrão para o ministério da Igreja, enfatizando a importância dos dons espirituais e do testemunho direto na propagação da mensagem cristã.

Fase do crescimento da igreja: desde a pregação de Estêvão, até ao Concílio de Jerusalém

A fase do crescimento da Igreja, marcada pela pregação de Estêvão e outros, testemunhou uma rápida expansão do cristianismo para além de Jerusalém.

 Após a morte de Estêvão e a subsequente perseguição, os crentes se dispersaram, levando a mensagem de Cristo a novas regiões e estabelecendo comunidades cristãs em lugares como Samaria, Antioquia e eventualmente em várias cidades do Império Romano.

Durante este período, importantes figuras como Filipe, Pedro e, posteriormente, Paulo, desempenharam papéis significativos na evangelização de Samaria, da Judeia e de territórios mais distantes.

A Igreja começou a estabelecer raízes em diferentes contextos culturais e sociais, refletindo a universalidade da mensagem cristã.

O Concílio de Jerusalém, ocorrido por volta de 50 d.C., representou um momento decisivo nesta fase, resolvendo questões doutrinárias e práticas que permitiram a inclusão dos gentios na Igreja, sem exigir a adesão completa às leis judaicas.

Fase da integração com os gentios: desde o Concílio de Jerusalém até ao Martírio de Paulo

Após o Concílio de Jerusalém, a Igreja entrou numa fase de maior integração com os gentios.

A decisão de aceitar gentios na Igreja sem a imposição da circuncisão e da lei mosaica marcou uma expansão significativa do cristianismo e uma maior abertura dos ensinamentos de Cristo.

Durante esta fase, a pregação de Paulo e outros apóstolos entre os gentios contribuiu para estabelecer igrejas em diversas partes do Império Romano.

Esta expansão refletiu a universalidade do Evangelho e a visão de uma Igreja abrangente, que transcende fronteiras étnicas e culturais.

Este período estabeleceu a Igreja como uma entidade verdadeiramente global, na qual judeus e gentios eram igualmente considerados parte do corpo de Cristo, unidos na fé e no batismo.

Fase Sombria: desde o martírio de Paulo até à morte de João

A fase sombria da Igreja Apostólica, marcada pelo martírio de figuras-chave do cristianismo como Paulo e Pedro, foi um período de intensa perseguição e provação.

No entanto, mesmo diante de adversidades, a Igreja manteve sua fé e continuidade.

Durante este tempo, a Igreja enfrentou desafios internos, como heresias e disputas doutrinárias, bem como perseguições externas do Império Romano.

A resiliência e a fidelidade dos crentes, no entanto, contribuíram para o fortalecimento da comunidade cristã.

A conclusão desta fase marca o fim da era apostólica, mas também destaca a transição para uma fase em que a Igreja começou a estabelecer uma estrutura mais formalizada e uma teologia sistematizada, pavimentando o caminho para o desenvolvimento posterior do cristianismo.

Conclusão

A Igreja Apostólica, no período de 30-100 d.C., foi um tempo de formação, crescimento e consolidação dos fundamentos da fé cristã.

Liderada pelos apóstolos e marcada por desafios e triunfos, esta era estabeleceu as bases sobre as quais a Igreja construiria sua história subsequente.

As diferentes fases deste período mostram a dinâmica e a evolução da Igreja, desde a formação de uma comunidade de crentes em Jerusalém até a expansão do cristianismo no mundo greco-romano.

Esses primeiros anos foram fundamentais para definir a identidade, a doutrina e a missão da Igreja, influenciando profundamente o desenvolvimento do cristianismo em séculos subsequentes.

Compreender a Igreja Apostólica é essencial para apreciar as raízes históricas e espirituais do cristianismo.

Este período não apenas moldou a trajetória da Igreja, mas também solidificou o legado dos ensinamentos de Cristo, que continuam a orientar e inspirar crentes em todo o mundo até hoje.

Referências Bibliográficas

BRUCE, F. F. Atos dos Apóstolos: Introdução e Comentário. São Paulo: Editora Vida Nova, 2007.

CARSON, D. A. A Igreja Primitiva: Uma História Concisa. São Paulo: Editora Vida Nova, 2005.

HURLBUT, Jesse Lyman. História da Igreja Cristã. 1. ed. rev. São Paulo: Vida, 2007.

Leia também:

O que foi o Concílio de Jerusalém?

Artigos Relacionados

Compartilhe:

Índice

Mais Populares

apostolo-paulo

33 fatos relevantes da vida do apóstolo Paulo

diferenças-entre-sumo-sacerdotes-sacerdote-e-levita

Diferenças entre sumo sacerdote, sacerdote e levita.

biblia-palavra-de-deus

A Bíblia é ou ‘contém’ a palavra de Deus?

genealogia

Por que existem duas genealogias de Jesus na Bíblia?

30-coisas-que-o-cristão-NÃO-deve-fazer

30 coisas que o cristão NÃO deve fazer

WhatsApp
Entre para o nosso grupo do WhatsApp e receba os nossos conteúdos no seu celular.